Browser não suportado!!!
Para melhor visualização, o Boletim Jurídico recomenda a utilização do Mozilla Firefox ou Google Chrome

Portal Boletim Jurídico - ISSN 1807-9008 - Brasil, 21 de setembro de 2019

Dimensionar Equipe: Uma ação eficaz para a geração de lucros

 

Débora Pappalardo

 

As previsões para a economia em 2014 são pouco otimistas.

O desenvolvimento e a qualificação de equipes, bem como, o aproveitamento de talentos internos serão premissas para as empresas.

Embora vivamos um momento especial, onde a taxa de desemprego alcança o menor nível histórico, atingindo, em novembro de 2013, o índice de 4,6%; o apagão de mão de obra qualificada é um dilema que atinge variados setores da economia. Portanto, treinar e capacitar os colaboradores é a forma que as empresas encontram para driblar esse cenário.

Reter os talentos, dada a carência de profissionais com aptidões que o mercado demanda torna-se a constante preocupação, especialmente de empresas prestadoras de serviços, como é o caso dos escritórios jurídicos.

Em um mercado competitivo, tão somente uma boa remuneração não é fator de retenção. Investir na gestão de carreira e no treinamento, mantendo as pessoas certas e preparadas para os desafios do crescimento são imprescindíveis.

A ideia é ter um quadro de pessoal com foco nos resultados.

O colaborador se sentirá motivado e recompensado, à medida que perceber o quanto a empresa preocupa-se com ele e, sentindo-se parte da organização, fará o mesmo por ela e trará os resultados esperados.

As pessoas só dão o melhor de si quando percebem sinergia no ambiente em que estão inseridas e a possibilidade de se desenvolverem e atingirem seus objetivos.

Dado o grande número de pequenos e médios escritórios jurídicos, a concorrência é acirrada e a busca no atendimento de qualidade, com o menor custo possível, exige um bom dimensionamento de equipe, obtendo-se, assim, bons resultados no planejamento de capacidade.

Encontrar o ponto de equilíbrio entre a oferta e a demanda em um mercado dinâmico, como o jurídico, é um grande desafio.

Diferentemente de produtos, a capacidade de execução de serviços é um bem perecível e finito.

Nas últimas décadas, o dimensionamento da força de trabalho ganhou enorme relevância no meio organizacional, especialmente na prestação de serviços, que vem mantendo crescimento acima do setor industrial.

Os escritórios jurídicos, com visões organizacionais e profissionais, perceberam que ter uma equipe com competências certas e realizando atividades certas, teriam muito mais chances de atingir os seus objetivos estratégicos, suas visões e missões.

O desafio dos gestores do segmento jurídico, assim como em outros setores, tem sido a adequação dos recursos humanos, especialmente a equipe jurídica, aos recursos financeiros dos escritórios.

A equipe precisa estar bem preparada, com conhecimentos específicos, experiências e engajamento para gerar os resultados esperados e atingir altos níveis de qualidade nos serviços jurídicos prestados; contudo, isso pode custar bem caro.

Vários fatores combinados serão necessários para se chegar a excelência da equipe.

O primeiro passo está no processo seletivo. Realizar um bom e assertivo recrutamento e seleção é fundamental, ter programas de desenvolvimento e de retenção de talentos, acompanhar os resultados e dar feedbacks constantes, realocar internamente os profissionais e planejar os desligamentos.

A busca por uma equipe adequada e engajada é um desafio constante para os escritórios jurídicos. A análise quantitativa de pessoal e a adequação dos perfis e competências, necessários para se atingir as metas e objetivos, tornam-se ferramentas indispensáveis, nesse processo.

Cada escritório dimensionará a equipe segundo a missão, porte, estrutura organizacional, modelo de gestão e política de pessoal.

Nem sempre trabalhar com grandes quantidades de materiais, instrumentos ou pessoas é garantia de eficácia e rapidez.

Alguns escritórios jurídicos optam por equipes enxutas, pois entendem que administrar muitas pessoas ao mesmo tempo, não é eficiente, além de não ser tarefa fácil.

Uma equipe numerosa poderá dificultar a execução das tarefas e gerar custos extras.

Em contrapartida, uma equipe enxuta proporcionará, além da redução de custos, rapidez na tomada de decisão, comunicação mais rápida e menos distorcida, foco na necessidade do cliente e não nos procedimentos internos.

O bom dimensionamento do quadro de pessoas gerará impactos no lucro, já que 75% dos custos de um escritório jurídico são dedicados ao custo com pessoal.

www.inriserh.com.br


Elaborado em março/2014

Envie sua colaboração

Débora Pappalardo

Sócia da Inrise RH - Recrutamento Jurídico, graduada em Administração de Empresas e Pós-Graduada em Gestão Financeira e Gestão de RH e Psicologia Organizacional, atuando no recrutamento e seleção de profissionais, bem como, no estudo de reestruturação organizacional de escritórios jurídicos.

Inserido em 17/03/2014

Parte integrante da Edição no 1149

Código da publicação: 3295

Ferramentas

Este artigo já foi acessado 15223 vezes.

Versão para impressão

Mensagem para o autor do artigo.

Citação deste artigo, segundo as normas da ABNT:

PAPPALARDO, Débora. Dimensionar Equipe: Uma ação eficaz para a geração de lucrosBoletim Jurídico, Uberaba/MG, a. 13, no 1149. Disponível em: <https://www.boletimjuridico.com.br/ doutrina/artigo/3295/dimensionar-equipe-acao-eficaz-geracao-lucros> Acesso em: 21  set. 2019.

Atenção

As opiniões retratadas neste artigo são expressões pessoais dos seus respectivos autores e não refletem a posição dos órgãos públicos ou demais instituições aos quais estejam ligados, tampouco do próprio BOLETIM JURÍDICO. As expressões baseiam-se no exercício do direito à manifestação do pensamento e de expressão, tendo por primordial função o fomento de atividades didáticas e acadêmicas, com vistas à produção e à disseminação do conhecimento jurídico.