Browser não suportado!!!
Para melhor visualização, o Boletim Jurídico recomenda a utilização do Mozilla Firefox ou Google Chrome

Portal Boletim Jurídico - ISSN 1807-9008 - Brasil, 22 de novembro de 2019

Carta Aos Patriotas

 

Cláudio Sinoé Ardenghy dos Santos

 

Há momentos e momentos, uns favoráveis outros não. Vejo que a representante maior da nação por eleição toma um rumo diferente do que alardeou em sua campanha, foi o maior engodo eleitoral e o povo já retirou um presidente do poder pelo mesmo fato, a história se repete com as mesmas proporções outrora que causaram desilusão e morte dos brasileiros com o encerramento de muitos planos familiares, está núcleo maior e desdobramento do núcleo essencial. É certo que ela se arvora como líder suprema, mas ouvida que é povo o maior elemento de um Estado ainda hoje de Democracia.

Não se governa com medidas provisórias, oxalá, a serem refutadas pelo Senado. Entretanto, até lá vigoraram por 120 dias ou seja por 4 melancólicos meses que o obreiro brasileiro sentirá na pele em rezas para cumprir nefastas exigências previdenciárias. Se a mesma prometeu (e até agora não alterou leis trabalhistas) foi escoteira, sozinha num dos mais graves e infames abate sobre seu manto colorido de rendas rosas usados orgulhosamente em sua posse a vertente escarlate do sangue da nação uma vez que fere de morte o primado da saúde, da assistência social, algo tão humanitário que cidades mais desenvolvidas acolhem em detrimento de seu orçamento cidadãos de outras cidades, isto era um elemento essencial da Revolução Francesa: a FRATERNIDADE. Mostrou que realmente não conhece isto e se conhece e aos seus próximos que devem ser estendidos.

Questiono ao povo: pode uma eleita nos anseios de um partido obliterado pela ganância do poder retirar de nós o que mais nobre tínhamos? Mesmo isolado, entendo que não.

Quando escrevi meu ensaio expedito sobre os indícios como meio de prova, muitos o afastaram outros o utilizaram e quando lido se curvaram que o opúsculo livro nos daria ciência que uma governanta que se relaciona com o mais vergonhoso ser genocida e ainda lhe envia nossas divisas sem o mínimo de respaldo jurídico e tendo por vice um abalizado constitucionalista (muita infame também ao permitir) não consultou o Senado Federal como uma válvula de arrefecimento para evitar o pouco dinheiro brasileiro caísse em Castrenses, castradores amaldiçoados em seu reinado espúrio sob o qual vaza o asco ao povo que é alvo de algozes sem perdão. Loucos? Não! Malfeitores de seu povo do patriarca leniista, tortikista, que enganou um dos símbolos da liberdade nominado Che Guevara. Quem traí um homem desta plana trairá seu povo em prol desde mesquinhos comezinhos com o trabalho escravo que se perpetua em charutos medonhos, a fácil prostituição turística como subsistência e alcance ao mínimo existencial como símbolo de seu poder, em seu mofado trono rodeado pelo odor de enxofre vindo de onde pisa. Me parece que em 3 mandatos esta foi a cobiça dos governantes e hoje a governanta nos oferece alegremente a ensinança que obteve com os amigos da escuridão.

Faço minhas as palavras iniciais de Martin Luther King Jr: "Eu tenho um sonho" o sonho que nossa rica cultura seja respeitada, já que hodiernamente os desiguais alcançaram um status de iguais e a nação, o povo, os brasileiros, são homogêneos, mesmo que para muitos não deva ser assim e as leis foram protetivas contra estes, a opinião em discussões ainda é livre.

Seria o momento de trazer dos mortos GETÚLIO VARGAS, o pai dos direitos consolidados ao trabalhador, não ficaria no opino e sim a pino de desmantelar ainda na existência deste estado democrático de direito as armas que o constituinte lançou mão no catálogo dos direitos e garantias fundamentais e outros espalhados na CONSTITUIÇÃO CIDADÃ, os quais nem precisam estarem timbrados pela escrita e sim pelos costumes, pela moral e ética que transmuda, ademais assegura a todos sua plenitude. O mesmo dirão os Senhores também se fez valer de golpe para se manter no poder, mas salgou o povo num tronco marcado a chibatadas? Não, muito pelo contrário, ao entregar a sua sorte a uma bala que ceifou-lhe a vida o povo saiu em protesto pela verdadeira mão que conduziu o gatilho.

É hora de repetirmos a história antes que a Governanta queira fechar às portas dos poderes que ainda são salvaguarda de nossos direitos e não aponto o norte da bússola somente ao pobre, ao que sua a camisa para ainda ter de suportar a fome que trocados, gorjetas, chamados bolsa família são dados às bocas sem tratamento.

DEUS me dê dois anos de vida!!!! Grita o trabalhador, pois somente assim meus entes farão jus ao amparo do Estado da Previdência que sempre funcionou tão bem ao ponto de resistir os golpes em seus cofres.

DEUS me mantenha no emprego 18 meses!!!! Para fazer jus a um seguro desemprego.

E por aí vai numa líder e amigos agnósticos que gargalham na riqueza que os rodeia sobre o PREÂMBULO DA CONSTITUIÇÃO e em DEUS, nos abandonaste pai?

Talvez a resposta seja: não reajam como devem reagir, usem o meios corretos, pois muitos são saudáveis de coração, alma e corpo, não deixem um ser igual lhes vilipendiar de sua nobre existência como excreção de serpentes rasteiras, amaldiçoadas pelo criador.

É o que, na minha vivência do que vi e vejo deixo à apreciação de meus irmãos brasileiros.

 


Elaborado em janeiro/2015

Envie sua colaboração

Cláudio Sinoé Ardenghy dos Santos

Mestre em processo civil pela PUCRS, Advogado, Ciências Contábeis/IPA (incompleto), livros publicados dentre eles a participação por convite do MINISTRO JOSÉ AUGUSTO DELGADO, Coisa Julgada Inconstitucional, lançado no SALÃO NOBRE DO STJ 2006, fórum. Alimentos e meio de coerção, convite do DES.ARAKEN DE ASSIS, Instrumentos de Coerção, Forense. Assédio Moral - 1 Congresso de Direito Processual, palestra em DVD destinada aos procuradores do trabalho, Cognição Judicial, ed. Nova Roma, Coisa Julgada Relativa, 2004, s/e. 8 referências no novo CPC, agraciado no Relatório Azul, destinado à ONU por proteção ás m inorias indígenas.

Inserido em 03/03/2015

Parte integrante da Edição no 1237

Código da publicação: 3965

Ferramentas

Este artigo já foi acessado 15665 vezes.

Versão para impressão

Mensagem para o autor do artigo.

Citação deste artigo, segundo as normas da ABNT:

SANTOS, Cláudio Sinoé Ardenghy dos. Carta Aos PatriotasBoletim Jurídico, Uberaba/MG, a. 13, no 1237. Disponível em: <https://www.boletimjuridico.com.br/ doutrina/artigo/3965/carta-aos-patriotas> Acesso em: 22  nov. 2019.

Atenção

As opiniões retratadas neste artigo são expressões pessoais dos seus respectivos autores e não refletem a posição dos órgãos públicos ou demais instituições aos quais estejam ligados, tampouco do próprio BOLETIM JURÍDICO. As expressões baseiam-se no exercício do direito à manifestação do pensamento e de expressão, tendo por primordial função o fomento de atividades didáticas e acadêmicas, com vistas à produção e à disseminação do conhecimento jurídico.