Browser não suportado!!!
Para melhor visualização, o Boletim Jurídico recomenda a utilização do Mozilla Firefox ou Google Chrome

Portal Boletim Jurídico - ISSN 1807-9008 - Brasil, 17 de setembro de 2019

Cuidado Com o Que Você Deseja!

 

Luiz Tiago Vieira Santos

 

Ao dar aquela "passeada" pelo "face" hoje, me deparei com esta charge. Sem dúvida, ela foi criada como uma forma de representar criticamente a série de faixas e cartazes levantados nos protestos do último dia 15 de março. Também vi esses "maravilhosos pedidos" nos telejornais e na própria internet, mas até então não tinha feito nenhuma análise, por incrível que pareça (risos).

Falando sério agora! Será que os "manifestantes", nesse caso, sabiam o que realmente estavam pedindo? A volta dos militares ao poder, quase que como uma expressão nostálgica do golpe de 64 seria a solução para o país? Esses desejos nostálgicos do retorno da ditadura são resultados do insuportável cenário nacional ou são reflexos da falta de mais educação, principalmente de mais aulas de história do Brasil?

Me assustou ao ver pessoas de uma faixa etária aparentemente "madura" e que viveram o regime levantarem a bandeira da intervenção militar. Me pus a refletir... Todo mundo sabe que o direito à livre manifestação de pensamento é uma garantia constitucional e isso justifica a presença numerosa desses cartazes nas manifestações, portanto, direito respeitado.

Mas nestas manifestações de pensamento pairam certa contradição: a maioria das pessoas que hoje se alegra em ter liberdade, principalmente de expressão, pede justamente a volta de um regime de governo no qual esse direito, justamente esse, não sobrevive muito bem. Sem falar nas inúmeras acusações de tortura, prisões ilegais, exílios... que se sabe serem comuns nesses regimes... "Peraê"! Estou ficando de "cuca mole" ou é isso mesmo que querem de volta?

Você deve estar se perguntando nesse momento: mas não deveriam existir limites à liberdade de expressão? Sim, eles existem. Talvez ninguém se lembre direito da existência deles, mas estão lá, também na Constituição. O primeiro deles, bem explícito, é a proibição do anonimato. Você pode falar basicamente o que quiser desde que se mostre e todos saibam quem está falando. Disse "basicamente", pois o direito à livre manifestação do pensamento não pode violar nem ferir a honra e a imagem das pessoas. Opa! Outro limite. Esse último é também uma garantia constitucional.

Os pedidos pela volta do regime não acabariam por ferir, de certa forma, outros direitos? Parece que sim. Ao pedir a volta de todos aqueles mandos e desmandos ditatoriais, acabam também pedindo a volta da violação e do desrespeito aos direitos garantidos hoje, pela lei maior. Esses pedidos, por si só, já são ataques diretos aos direitos garantidos e, até mesmo, podem ser considerados como tentativas do crime contra a ordem constitucional e contra o estado democrático. Então, é preciso ter muito cuidado com o que se pede ou se deseja nas livres manifestações de ideias, pois além de clamar por retrocessos, você ainda pode acabar no famoso "Xilindró".


Elaborado em março/2015

Envie sua colaboração

Luiz Tiago Vieira Santos

Possui LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS NATURAIS pela UNIVERSIDADE TIRADENTES - UNIT (2009), com experiência docente na Educação Básica (Ensino Fundamental e Médio) nas disciplinas Ciências e Biologia respectivamente e na Educação Técnica (área da saúde) na disciplina Microbiologia e Parasitologia Humanas. Atualmente é acadêmico de Direito.

Inserido em 26/03/2015

Parte integrante da Edição no 1243

Código da publicação: 4109

Ferramentas

Este artigo já foi acessado 15362 vezes.

Versão para impressão

Mensagem para o autor do artigo.

Citação deste artigo, segundo as normas da ABNT:

SANTOS, Luiz Tiago Vieira. Cuidado Com o Que Você Deseja!Boletim Jurídico, Uberaba/MG, a. 13, no 1243. Disponível em: <https://www.boletimjuridico.com.br/ doutrina/artigo/4109/cuidado-com-voce-deseja!> Acesso em: 17  set. 2019.

Atenção

As opiniões retratadas neste artigo são expressões pessoais dos seus respectivos autores e não refletem a posição dos órgãos públicos ou demais instituições aos quais estejam ligados, tampouco do próprio BOLETIM JURÍDICO. As expressões baseiam-se no exercício do direito à manifestação do pensamento e de expressão, tendo por primordial função o fomento de atividades didáticas e acadêmicas, com vistas à produção e à disseminação do conhecimento jurídico.