Browser não suportado!!!
Para melhor visualização, o Boletim Jurídico recomenda a utilização do Mozilla Firefox ou Google Chrome

Portal Boletim Jurídico - ISSN 1807-9008 - Brasil, 18 de setembro de 2019

Zé Dirceu

 

Arnaldo Xavier Junior

 

Lendo comentário, achei por bem tentar aprofundar ainda mais, em vista da ignorância que ainda reina sobre o caso do Zé “que não tem nada de Mané” _ Dirceu. Culpado ou inocente???...

Bem, mas que dava para ele ter gerido o país de maneira diferente, talvez não, a corrupção estava e ainda está muito grande, e não foi criada nos tempos PT; todos nós sabemos que antes a Polícia Federal não tinha autonomia para nada, que certos políticos influentes davam à palavra final; como exemplo um de São Paulo, que certa família de Delegados e Políticos nunca deixou qualquer investigação avançar sobre eles. A Policia Federal Paulista estava de mãos amarradas.

Agora, nos tempos de PT, com a desordem e o descobrimento de favorecimentos e barganhas, a coisa não poderia ser diferente e ele estava à frente de tudo. Ainda mais necessitando aprovar projetos urgentes que sabidamente só assim o foram porque houve mensalinhos, diarinhos, etc.

No meu ver, mais uma vez descumprem as promessas, não investem em educação e emprego e o povo continua pagando o pato, e como o crescimento da violência se deu de forma muito acentuada, provocado pelos dois fatores anteriormente comentados, as consequências disto chegariam à mais alta cúpula sim. Nunca se ouviu falar de uma Sociedade onde se pode divorciar o pensamento do povo e o de seus governantes. E já é a segunda grande decepção; corrupção derrubou Fernando Collor, Zé Dirceu e ainda vai derrubar muita gente, infelizmente, mas talvez seja preciso para acabar.

E como advogado sinto-me envergonhado às vezes que me questionam: “Doutor, dez mil e o cara vai para a rua, nem processo vai responder, se ficar preso vai gastar muito mais que isto e ainda puxar uma cadeia”. Triste, sim, mas vai explicar para o cliente (às vias de ficar preso), que isto é nojento e que o Judiciário é justo. E afirmar que o Judiciário é justo é chamar a imprensa de mentirosa e demonstrar intuito de distorcer os fatos e a própria história recente.

Meu Deus, certa Maria Aparecida ficou mais de um ano presa por tentativa de furto de xampu no Supermercado, tendo brigado muito pela liberdade, quando outros figurões que rondam por aí não ficam presos mesmo que cometam barbaridades, mesmo que roubem milhões. Parece que roubar milhões no País compensa mais que trabalhar de sol a sol para ganhar em média R$ 800,00 por mês.

Particularmente antipático e arrogante, o Doutor Zé Dirceu é um político de quilate, e aprendeu muito na vida de diversas formas, até sendo perseguido; ele não jogaria seu nome na lama não fosse crendo estar fazendo a coisa certa. Como certa vez me disse em aula o Doutor Eduardo Malta (primo da Rosana Collor de Mello): “o homem não é essencialmente corrupto, o poder é que o corrompe”.

Envie sua colaboração

Arnaldo Xavier Junior

Advogado.

Inserido em 26/12/2005

Parte integrante da Edição no 158

Código da publicação: 986

Ferramentas

Este artigo já foi acessado 15205 vezes.

Versão para impressão

Citação deste artigo, segundo as normas da ABNT:

XAVIER JUNIOR, Arnaldo. Zé DirceuBoletim Jurídico, Uberaba/MG, a. 4, no 158. Disponível em: <https://www.boletimjuridico.com.br/ doutrina/artigo/986/ze-dirceu> Acesso em: 18  set. 2019.

Atenção

As opiniões retratadas neste artigo são expressões pessoais dos seus respectivos autores e não refletem a posição dos órgãos públicos ou demais instituições aos quais estejam ligados, tampouco do próprio BOLETIM JURÍDICO. As expressões baseiam-se no exercício do direito à manifestação do pensamento e de expressão, tendo por primordial função o fomento de atividades didáticas e acadêmicas, com vistas à produção e à disseminação do conhecimento jurídico.