Exoneração de alimentos - contestação

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA COMARCA XXX.
Proc. nº 0000












R, (qualificação), por intermédio de seu advogado e procurador que esta in fine subscreve - docs. j. -, comparece respeitosamente à presença de V. Exa., para apresentar sua CONTESTAÇÃO e requerer, pelos fatos e motivos a seguir expostos:
DA PRELIMINAR

Argüi o autor que, pelo simples fato da requerida ter constituído relacionamento em regime de concubinato , o exime de seu dever de pagar o que foi sentenciado quando de sua separação judicial.

Razão nenhuma assiste-o em suas alegações, pois, se de um lado apresenta apertada síntese doutrinária, há de se considerar a vasta disposição, quer doutrinária, quer jurisprudencial, assegurando a manutenção da sua obrigação de pagar alimentos à sua ex-esposa.

Por primeiro, sequer se dignou a reiterar o seu conhecimento do real motivo da separação do casal, mesmo porque, resistiu o quanto pode para que não se efetivasse, mesmo sabedor que a requerida o abandonou por motivos da insuportável convivência e da incompatibilidade de gênios, que quase sempre resultaram em brigas conjugais.

Ademais, não restou comprovado nos autos, qualquer indício que o "possível concubino" tem recursos plausíveis, suficientes para a manutenção da moradia da requerida, prova fundamental para o sucesso de sua pretensão demandada.


DO MÉRITO

Conforme se constata dos inclusos documentos - fls. -, o requerente - tendo o dever em pagar pensão a ora requerida - foi condenado ao pagamento de 20 % de um salário mínimo mensal, descontado em folha de pagamento, e a título de auxílio para o pagamento de aluguel mensal para a moradia de sua ex-esposa.

Tal entendimento proferido pelo digno MM. juízo, foi esboçado no fato que, todos os móveis e o único imóvel do casal foram incorporados ao patrimônio exclusivo do ora requerente.

Ademais, não restou provada qualquer mudança no quadro apresentado quando da separação litigiosa do casal, ou seja:

1. o separado continua ganhando os mesmos R$ 1.100,00 (Hum mil e cem reais) mensais;

2. a requerida, ao contrário do noticiado na exordial, trabalha como comerciária - doc j. - nesta cidade, e permanece percebendo vencimentos fixos na ordem de um salário mínimo, acrescidos de parca comissão originada de uma "caixinha" mantida pelos vendedores do estabelecimento;

3. a separada mora em residência alugada de valor de R$ 280,00 (Duzentos e oitenta reais) - doc j.;

Outrossim, a única e real alteração reside no fato concreto que restam somente cerca de 12 prestações fixas de valor de R$ 170,00 (Cento e setenta reais) para que o requerente passa a ter direitos plenos sobre o seu imóvel próprio onde reside.


DOS PEDIDOS

Face ao exposto, requer-se a V. Exa.:

A. Sejam juntados aos autos o devido instrumento de procuração e de declaração;

B. Seja concedido à requerida os benefícios da assistência judiciária gratuita, nos moldes do que preceitua a lei 1060/60;

C. Seja julgada por sentença a improcedência integral da presente ação e, via de conseqüência, mantendo o decisum - fls 9/10 - de permanecer o requerido obrigado ao seu dever do pagamento mensal de pensão alimentícia à requerida no importe de um salário mínimo mensal e descontado em folha de pagamento;

D. Requer mais:

I. Seja o requerido condenado ao ônus da sucumbência;

II. Seja arbitrado os honorários advocatícios pelo teto permitido.

Protesta provar o alegado, por todos os meios de prova em direito permitidos, especialmente pelo depoimento pessoal do requerente, bem como, da oitiva de testemunhas, exames periciais, juntada de novos documentos e demais provas, o que desde já se requer.

Nestes Termos, Pede Deferimento.

Cidade e data.


.....................................
assinatura do advogado
OAB/SP .......................

 

____________
Colaboração: Wanildo José

Conheça nosso editor de texto
Esse modelo já foi acessado 357756 vezes.

Veja também

Procuração ad judicia
(1470485 acessos)

Alimentos
(1243964 acessos)

Habeas Corpus
(1173895 acessos)

Colaborações

Clique aqui e envie sua colaboração.