Browser não suportado!!!
Para melhor visualização, o Boletim Jurídico recomenda a utilização do Mozilla Firefox ou Google Chrome

Portal Boletim Jurídico - ISSN 1807-9008 - Brasil, 22 de novembro de 2019

A crise do Direito e a súmula vinculante

 

Anna Carolina Poli

 

A adoção da súmula vinculante é como empurrar o direito ladeira abaixo. Embora muitos desconheçam, o direito está em crise. O sistema tumultua a percepção do caos. A crise de fundamentos da Ciência Jurídica atinge seu ápice, não havendo contornos tais que minimizem o problema.

O Estado está pressionado pelo capitalismo e pelo sistema político liberal, independentemente de ideologias do poder contrárias. O processo evolutivo do mundo pós-globalização corre sozinho, ou o Estado se incorpora, ou é incorporado. Com isso, o individualismo acompanhado de seus valores intrínsecos ganha força, levando a sociedade numa busca incessante por seus direitos, e o ordenamento jurídico não acompanha essa mudança. A falta de reflexos da lei consubstancia a crise do direito.

Aliando-se a isso, nota-se também a necessidade de fugir do formalismo do sistema, o aplicador da lei deve alçá-la à realidade presente, e por isso foi lhe garantido o poder discricionário, não para torná-lo um déspota, mas sim um justo. Esta discricionariedade pode ser feita pelo trabalho de interpretação da lei, o intérprete é sem dúvida um construtor da norma, um ourives da justiça.

Logo, ao analisarmos a súmula vinculante e a sua amputação da discricionariedade, fica nítida a sua colaboração com a crise existente. Salienta-se também que a súmula vinculante é oriunda de um tribunal político, especialmente no Brasil, essa análise é unânime entre os constitucionalistas renomados ao discursarem nos congressos realizados pelo país.

Os novos rumos do direito vislumbram uma necessidade hermenêutica de construção das normas, tentando resguardar preceitos fundamentais que não saem da utopia constitucional. As faculdades precisam formar seres pensantes e não decoradores de leis ambulantes. A crítica e o método dialético devem fazer parte do processo intelectual do acadêmico logo no início do curso. Disciplinas como a filosofia e a sociologia deveriam possuir maior ênfase, levando o aluno a conhecer o sistema, mas também a transformá-lo quando preciso, como agora.

(Elaborado em agosto/2006)

Envie sua colaboração

Anna Carolina Poli

Advogada.

Inserido em 02/09/2006

Parte integrante da Edição no 194

Código da publicação: 1529

Ferramentas

Este artigo já foi acessado 15260 vezes.

Versão para impressão

Mensagem para o autor do artigo.

Citação deste artigo, segundo as normas da ABNT:

POLI, Anna Carolina. A crise do Direito e a súmula vinculanteBoletim Jurídico, Uberaba/MG, a. 5, no 194. Disponível em: <https://www.boletimjuridico.com.br/ doutrina/artigo/1529/a-crise-direito-sumula-vinculante> Acesso em: 22  nov. 2019.

Atenção

As opiniões retratadas neste artigo são expressões pessoais dos seus respectivos autores e não refletem a posição dos órgãos públicos ou demais instituições aos quais estejam ligados, tampouco do próprio BOLETIM JURÍDICO. As expressões baseiam-se no exercício do direito à manifestação do pensamento e de expressão, tendo por primordial função o fomento de atividades didáticas e acadêmicas, com vistas à produção e à disseminação do conhecimento jurídico.