Browser não suportado!!!
Para melhor visualização, o Boletim Jurídico recomenda a utilização do Mozilla Firefox ou Google Chrome

Portal Boletim Jurídico - ISSN 1807-9008 - Brasil, 23 de maio de 2019

Da desconsideração da personalidade jurídica

 

Juliana Marcucci Pontes

 

Tal como ocorre com as pessoas físicas, para o Direito, as pessoas jurídicas possuem “personalidade”, a qual consiste no conjunto de regras e princípios que lhe conferem proteção em todos os aspectos.

Cumpre salientar que é através da personalidade que a pessoa jurídica adquire direitos, dentre eles ao nome, imagem e honra, bem como obrigações, tornando-se responsável pela prática de seus atos, podendo inclusive demandar em juízo e ser demandada.

Se, por um lado, a personalidade da pessoa física começa do nascimento com vida, conforme dispõe o artigo 2° do Código Civil, a personalidade da pessoa jurídica de direito privado tem início com a inscrição do seu ato constitutivo no respectivo registro, a teor do que preconiza o artigo 45 do mesmo Diploma Legal. Desta forma, uma sociedade cujos atos constitutivos encontram-se devidamente registrados nos órgãos competentes possui personalidade jurídica, podendo exercer suas atividades e dispor de seus bens, em observância ao seu objeto social.

Com efeito, os bens particulares dos sócios não respondem pelas dívidas da sociedade, salvo nos casos previstos em lei, sendo certo que nas sociedades limitadas os sócios apenas são responsáveis pela totalidade do capital social quando este estiver integralizado. Assim, via de regra, na eventualidade da sociedade sofrer uma execução, responderão pela dívida os próprios bens desta e não aqueles pertencentes aos sócios.

Todavia, no caso de abuso da personalidade, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial, o Juiz, a requerimento da parte, ou do Ministério Público, poderá decidir que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica a teor do disposto no artigo 50 do Código Civil.

O Código de Defesa do Consumidor também prevê a desconsideração da personalidade jurídica em seu artigo 28, na hipótese da sociedade, em detrimento do consumidor, agir com abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito, bem como quando houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica em decorrência de má-administração.

O parágrafo quinto do artigo acima citado também prevê a desconsideração da pessoa jurídica quando sua personalidade for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento do prejuízo causado ao consumidor.

Portanto, tem-se que a regra é de que os bens particulares dos sócios não responderão pelas dívidas da sociedade, salvo no caso de estar comprovado o desvio de finalidade, abuso de poder, ato ilícito e encerramento da pessoa jurídica por má-administração dolosa, hipóteses em que a personalidade da pessoa jurídica será desconsiderada, com o intuito de atingir-se o patrimônio pessoal dos sócios, possibilitando, assim, a reparação dos danos causados a terceiros.

Envie sua colaboração

Juliana Marcucci Pontes

Advogada da área cível do escritório Moreau Advogados.

Inserido em 08/09/2006

Parte integrante da Edição no 195

Código da publicação: 1534

Ferramentas

Este artigo já foi acessado 15266 vezes.

Versão para impressão

Mensagem para o autor do artigo.

Citação deste artigo, segundo as normas da ABNT:

PONTES, Juliana Marcuci. Da desconsideração da personalidade jurídicaBoletim Jurídico, Uberaba/MG, a. 5, no 195. Disponível em: <https://www.boletimjuridico.com.br/ doutrina/artigo/1534/da-desconsideracao-personalidade-juridica> Acesso em: 23  mai. 2019.

Atenção

As opiniões retratadas neste artigo são expressões pessoais dos seus respectivos autores e não refletem a posição dos órgãos públicos ou demais instituições aos quais estejam ligados, tampouco do próprio BOLETIM JURÍDICO. As expressões baseiam-se no exercício do direito à manifestação do pensamento e de expressão, tendo por primordial função o fomento de atividades didáticas e acadêmicas, com vistas à produção e à disseminação do conhecimento jurídico.