Browser não suportado!!!
Para melhor visualização, o Boletim Jurídico recomenda a utilização do Mozilla Firefox ou Google Chrome

Portal Boletim Jurídico - ISSN 1807-9008 - Brasil, 13 de novembro de 2019

Reforma trabalhista: impactos da lei 13.467/2017 sobre a proteção jurídica da saúde e segurança da trabalhadora gestante e lactante no ambiente laboral insalubre

 

Iasmim Laís Sousa Guimarães e Leonardo Navarro Aquilino

 

RESUMO

Esta pesquisa tem como finalidade  discorrer sobre  os   impactos da Lei 13.467/2017 sobre a proteção jurídica da saúde e segurança da trabalhadora gestante e lactante no ambiente laboral   insalubre.  Para tanto, necessário identificar à legislação brasileira pertinente a proteção da saúde e segurança do trabalhador no ambiente insalubre;  apontar  a legislação brasileira sobre  à proteção especial do trabalho da mulher gestante e lactante,  examinar as alterações na Consolidação das Leis de Trabalho- CLT especificamente o artigo 394-A. O problema de pesquisa indaga   como a reforma trabalhista no que tange à aprovação da Lei 13.467/2017 pode impactar na proteção jurídica da saúde e segurança da trabalhadora gestante e lactante no ambiente laboral insalubre. A metodologia   foi  a   pesquisa bibliográfica com   abordagem do estudo  qualitativa e como instrumento de coleta de dados a revisão da literatura específica. Abordaremos   os   conceitos   de    saúde, da atividade ou operação   insalubre e ou perigosa;  os direitos fundamentais: a vida, a saúde,  ao ambiente ecologicamente equilibrado, ao trabalho, a proteção  da maternidade, do  nascituro e lactente Por conseguinte, pode-se concluir que alteração do artigo 394-A da CLT, no que tange a aprovação da Lei 13.467 de 2017, contraria os mandamentos constitucionais  quanto a dignidade da pessoa humana, o direito vida, a saúde, a proteção a maternidade, ao nascituro e ao lactente  Constata-se que   o ambiente insalubre prejudica a saúde da trabalhadora gestante e lactante pode desencadear doenças ocupacionais, e  o desenvolvimento saudável do nascituro e do lactente. Ressalta a omissão do legislador em relação às atividades ou operações perigosas, pois    permite  que a     trabalhadora gestante e lactante  exerça tais atividades ou operações.

Palavras-chave: ambiente laboral insalubre; direito do trabalho;gestante e lactante; reforma trabalhista

Sumário:

Introdução-1  Da proteção da saúde e segurança do trabalhador-2 Tutela especial da trabalhadora gestante e lactante-3 Os  impactos na saúde e segurança da trabalhadora gestante e lactante no ambiente laboral insalubre.

ABSTRACT

This research aims to discuss the impacts of Law 13467/2017 on the legal protection of the health and safety of pregnant and nursing workers in the unhealthy working environment. Therefore, it is necessary to identify relevant Brazilian legislation to protect the health and safety of the worker in an unhealthy environment; to point out the Brazilian legislation pertinent to the special protection of the work of pregnant and lactating women, to examine the changes in the Consolidation of Labor Laws-specifically Article 394-A, and to report on the reasons for changing the article. The research problem asks how the labor reform with regard to the approval of Law 13467/2017 may impact on the legal protection of the health and safety of pregnant and nursing workers in the unhealthy working environment. In this way, the methodology was used for the technical procedure of the bibliographic research, the approach of the study will be qualitative and will have as instrument of data collection the review of the specific literature. We will address the concepts of unhealthy and / or dangerous health, activity, or operation; the fundamental rights to life, health, the ecologically balanced environment, work, protection of motherhood, the unborn and the infant. Therefore, it can be concluded that amendment of Article 394-A of the CLT, with regard to the adoption of the Law 13,467 of 2017, contradicts the constitutional injunctions regarding the dignity of the human person, the right to life, health, maternity protection, the unborn and the infant. It is observed that the unhealthy environment harms the health of the pregnant and nursing woman, the unborn child and the infant and can trigger occupational diseases. It highlights the omission of the legislator in relation to dangerous activities or operations, thus allowing the pregnant and nursing worker to carry out such activities or operations.

KEYWORDS: unhealthy working environment; labor law: pregnant and lactating;  labor reform.

Summary:

1-From the health and safety protection of worker 2- Special guardianship of the pregnant and nursing3- Impacts on the health and safety of pregnant and nursing workers in the unhealthy working environment.

INTRODUÇÃO

As relações individuais e coletivas de trabalho são regulamentadas pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, que consagra direitos e deveres entre as partes, o trabalhador e  o empregador. Em relação às normas de proteção especial do trabalho da mulher gestante e lactante a Lei 13.467/2017 conhecida como a reforma trabalhista,  alterou o artigo 394-A da CLT, trazendo uma  nova redação,   que permite      a   empregada gestante exerça suas atividades laborais  em ambiente insalubre de grau médio e mínimo, exceto de grau máximo;  e  a empregada  lactante em ambiente insalubre independente do grau,  caso não apresente atestado medico para o afastamento,  situação vedada  anteriormente pela Lei 13.287, 11 de maio de 2016, que inseriu  o mesmo artigo na legislação supracitada.

O legislador defende as recentes modificações nas normas de proteção do trabalho da gestante e lactante com o argumento de promover  mecanismos  para  coibir a discriminação na   inserção no  mercado de trabalho da mulher e a redução salarial, tendo em vista que  a redação original   do artigo 394-A,   proibia a permanência daquela nestas condições e previa a  sua transferência para um ambiente salubre.  Destarte, indaga-se como a reforma trabalhista no que tange à aprovação da Lei 13.467/2017 pode impactar na proteção jurídica da saúde e segurança da trabalhadora gestante e lactante no ambiente laboral insalubre? 

Este projeto apresenta como objeto de estudo a reforma trabalhista e os   impactos da Lei 13.467/2017 sobre a proteção jurídica da saúde e segurança da trabalhadora gestante e lactante no ambiente laboral   insalubre. Tendo como objetivos específicos: identificar à legislação brasileira pertinente a proteção da saúde e segurança do trabalhador em ambiente insalubre; apontar a legislação brasileira pertinente à proteção especial ao trabalho da mulher gestante e lactante; examinar as alterações na Consolidação das Leis de Trabalho- CLT sobre a proteção da saúde e segurança da trabalhadora gestante e lactante; relatar os fundamentos utilizados à aprovação da Lei 13.467/2017, quanto à alteração do artigo 394-A.

Em relação à metodologia científica, será adotada quanto ao procedimento técnico a  pesquisa bibliográfica, a forma de abordagem do estudo será    qualitativa e terá como instrumento de coleta de dados a revisão da literatura específica.   Tendo em vista, que o assunto sobre a saúde e segurança da trabalhadora gestante e lactante em ambiente insalubre, é abordado por várias fontes bibliográficas.

No período gestacional a mulher precisa adotar vários cuidados especiais com a sua saúde em decorrência das alterações em seu organismo, para geração  da  vida humana.  Desta forma, as normas de tutela especial da saúde e segurança  da trabalhadora gestante e lactante e a proteção à maternidade, resultam das condições inerentes ao ser da mulher e também ao direito de terceiros:  do nascituro e do lactente.

Esta pesquisa se justifica uma vez que faz necessário o estudo detalhado das recentes alterações na legislação trabalhista brasileira, especificamente quanto a proteção jurídica da saúde e segurança da     trabalhadora gestante e lactante que  labora em ambiente insalubre.  Isto posto, a pesquisa possibilita a abertura de diálogos e debates acerca do  assunto supracitado, que repercute diretamente na vida de tantas brasileiras que se encontram nestas condições, no direito do nascituro  do lactente e toda a sociedade.

1.      DA PROTEÇÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 inovou as constituições anteriores, em razão do posicionamento destinado a pessoa humana, como a principal titular de direitos e da proteção jurídica.  Consagra como uns dos seus fundamentos a dignidade da pessoa humana e os valores sociais do trabalho, e enaltece aquela como principal  mandamento constitucional, norteador do ordenamento jurídico pátrio.

O princípio da dignidade da pessoa humana incide em todos os dispositivos da Constituição da República, nas normas infraconstitucionais, na atuação da Administração Pública, dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Tal princípio é inerente ao ser humano, ou seja, está presente em todos os indivíduos, sem distinção de qualquer natureza.

 Mas do que isso o conceito e estrutura normativos de Estado Democrático de Direito, em que ocupam posições cardeais a pessoa humana e a sua dignidade, juntamente com a valorização do trabalho, o que insere o ramo jus trabalhista no coração e mente   jurídicos definidores do melhor espírito da Constituição.(DELGADO, 2014, p. 78).

A Constituição da República de 1988 não somente normatizou a dignidade da pessoa humana como um dos seus fundamentos, mais instituiu em seu Título II e capítulos seguintes, os direitos e garantias fundamentais, imprescritíveis a materialização daquela. Destarte, preceitua em seu artigo 5º a garantia a inviolabilidade do direito à vida, a liberdade, à igualdade, à segurança, à propriedade, entre outros direitos.

Primordialmente, assegura o direito a saúde a todos os indivíduos, de acesso universal, sem distinção de qualquer natureza. É um direito fundamental do ser humano, indispensável a sua subsistência, e está previsto no rol dos direitos sociais dos brasileiros[3]. Em razão de sua relevância, a Carta Magna dispõe em seus artigos 196 a 200, o dever do Estado de garantir por meio de políticas públicas, observadas     as diretrizes constitucionais, o pleno exercício deste direito.

Vale ressaltar a definição de saúde adotada pela Organização Mundial de Saúde de 1946, “a saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não consiste apenas na ausência de doença ou de enfermidade”.[4]Tal conceito também adotado na Convenção n.º 155 da Organização Mundial do Trabalho sobre segurança e saúde dos trabalhadores e meio ambiente de trabalho em Genebra em 1981, a qual foi promulgada pelo Brasil em 1994 pelo Decreto N. 1,254, de 29 de setembro de 1994.[5]

Por conseguinte, a Constituição da República, instituiu o Sistema Único de Saúde- SUS  com   finalidade de promoção, prevenção e proteção do direito à saúde. Estabelece diretrizes para atuação do SUS, entre suas ações se  destaca:   a de vigilância sanitária e epidemiologia, incluída    a saúde do trabalhador; e a responsabilidade na proteção do meio ambiente, incluído o   do trabalho. Ainda a      Lei Orgânica de Saúde Nº 8.080/90 que  regulamenta o SUS ratifica em seu artigo 3 que a saúde tem como determinantes as condições  de bem-estar físico, mental e social.

Ressalta se o conceito multifacetado da saúde que não se restringe apenas a ausência de doenças, mais abrange além das condições fisiológicas e mentais do ser humano, os aspectos sociais em que está inserido. Isto posto, a Constituição da República em seu artigo 225 assegura a todas as pessoas o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, e atribuí o  dever de proteção e conservação    ao Estado e também a toda a coletividade.

A Carta Magna estabelece como direito social o trabalho humano, em consonância com os fundamentos da dignidade da pessoa humana e os valores sociais do trabalho. O trabalho além de proporcionar   o custeio das   necessidades básicas do indivíduo, tais como: a moradia, alimentação, saúde, transporte, lazer entre outros, ou seja,  ter uma  vida digna,  e também incide no desenvolvimento econômico do pais.[6]

Preceitua em seu artigo 7º e incisos seguintes os direitos do trabalhador urbano e rural. Ressalta-se a proteção constitucional com o bem-estar do trabalhador durante a sua jornada laboral, conforme dispõe em seu inciso XXII,  a “redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de  normas de saúde, higiene e segurança”.

O meio ambiente do trabalho está inserido no meio ambiente geral ( Art. - 200-VIII- da Constituição da República). De modo que é impossível alcançar qualidade de vida sem ter qualidade de trabalho, nem se pode atingir o ambiente ecologicamente equilibrado e sustentável, ignorando o meio ambiente do trabalho. (OLIVEIRA, p. 127). 

Todavia, nem sempre numa relação de trabalho está assegurado plenamente o direito a saúde do trabalhador e ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, em decorrência da exposição às atividades ou operações insalubres ou perigosas. Desta forma, a  Consolidação das Leis de Trabalho desde  1943, dispõe em seus artigos 154 à 200, Capítulo V, no Título II sobre a saúde e segurança do trabalhador e meio ambiente. 

Tais dispositivos da norma supracitada, não abordam completamente todas as condições de segurança e medicina do trabalho.  Destarte, em seu artigo 200 atribuiu ao Ministério do Trabalho e Emprego- MTE a competência para dispor sobre normas de proteção da saúde e segurança do trabalhador.

O Ministério do Trabalho e Emprego   expediu a Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978, contendo as Normas Regulamentadoras- NR, que dispõe sobre as condições de segurança e medicina do trabalho. Hodiernamente, há trinta e sete normas regulamentadoras relacionadas a saúde e segurança do trabalhador e o meio ambiente. 

A Norma Regulamentadora nº 15 trata das atividades e operações insalubres, que são aquelas que expõem o trabalhador aos riscos ocupacionais, capazes de prejudicar a sua saúde.   A Norma Regulamentadora nº 16, trata das atividades e operações perigosas, que são aquelas que apresentam risco iminente à saúde e integridade física do trabalhador. A definição legal destas atividades está prevista nos artigos 189 e 193 da CLT.

O trabalho insalubre é aquele que afeta ou causa danos à saúde, provoca doenças, ou seja, é o trabalho não salubre, não saudável. Muitas enfermidades estão diretamente relacionadas e outras são agravadas pela profissão do trabalhador ou as condições em que o serviço é prestado, o que possibilita a constatação do nexo causal entre o trabalho e a doença.  (OLIVEIRA, p. 172).

A Norma Regulamentadora N.º 15 dispõe em seus 14 anexos as atividades ou operações consideradas insalubres, em decorrência da exposição aos agentes físicos, químicos e biológicos.  Sendo  as que se caracteriza pela exposição aos riscos ocupacionais  acima dos limites de tolerância fixado nos anexos nº 1, 2, 3, 5, 11 e 12 respectivamente: ruído continuo ou intermitente; ruídos de impacto; exposição ao calor; radiação ionizante; agentes químicos e poeiras minerais.  E as atividades  insalubres caracterizada pelo laudo de inspeção no local de trabalho pela exposição ocupacional constante nos  anexos 7, 8, 9 e 10 que são respectivamente:  radiação não-   ionizantes; vibrações; frio e umidade. 

E ainda, as atividades insalubres constantes nos anexos 6, 13, e 13-A e 14 que são respectivamente:  o trabalho sob condições hiperbárica;  atividades  que envolve os  agentes químicos: arsênico, carvão,  chumbo, cromo, fósforo, hidrocarbonetos e outros composto de carbono, silicatos, mercúrio, substâncias cancerígenas e operações diversas;   atividades com exposição ao   benzeno e   atividades   que envolvem agentes biológicos[7].

A Norma Regulamentadora N.º 16 dispõe sobre as atividades ou operações consideradas perigosas, conforme os  anexos nº 1, anexo nº 2, anexo nº 3, anexo nº  4 e anexo nº 5 respectivamente: atividades e operações  com explosivos; atividades e operações  com inflamáveis; atividades e operações com  exposição a roubos ou outras espécies de violência física nas atividades profissionais de segurança pessoal ou patrimonial; atividades e operações  com energia elétrica e atividades em   motocicleta.

[…] há também, no ambiente de trabalho, agentes que podem atuar instantaneamente, com efeitos danosos imediatos, denominados agentes perigosos ou periculosos. A exposição aos agentes insalubres pode  acarretar a perda paulatina da saúde; o contato com os agentes periculosos pode levar á incapacidade ou a  morte súbita. (OLIVEIRA, p. 176).

Como nem sempre é possível a eliminação dos riscos ocupacionais nas atividades laborais, se busca a redução ou minimização do   agente agressor  durante a execução daquelas.  Assim, o próprio  Constituinte e o legislador infraconstitucional adotaram    como medida de compensação aos danos da saúde do trabalhador, o   adicional pecuniário das atividades ou  operações insalubres e ou perigosas.[8]

Nas atividades insalubres de grau máximo, médio e mínimo o percentual do adicional pecuniário será respectivamente de quarenta por cento, vinte por cento e dez por cento do salário mínimo; e  nas atividades perigosas  o percentual de    trinta por cento do salário mínimo, conforme assegurado nos artigo 192 e  193 parágrafo 1º    da CLT.

Vale ressaltar que em outros países adotaram como medida compensatória para o trabalho em  ambiente insalubre  a redução da   jornada de trabalho  para seis horas diárias. Este é o posicionamento  adotado  pela Argentina, conforme previsto no artigo 200 da Lei n.º 20.744/1976[9]. Tal medida, assegura maior proteção à saúde do trabalhador, pois   reduz o tempo de contato com os agentes agressivos e por conseguinte, minimiza   os seus efeitos á saúde. Monteiro apud Oliveira (2011, p. 842) critica firmemente o posicionamento adotado pelo Brasil:

É muito criticada a solução adotada no Brasil de compensar com remuneração adicional (monetização do risco) o trabalho em condições insalubres, perigosas ou penosas, afirma-se que o procedimento implica venda da saúde do trabalhador e sugere-se a redução da jornada com maior período de descanso.

A regra constitucional é que o trabalhador exerce suas atividades em ambiente laboral salubre, resguardado o direito a vida, a dignidade da pessoa humana, a saúde, a integridade física e o ambiente ecologicamente equilibrado. Todavia, nem todas as relações de trabalho é possível assegurar plenamente tais direitos, trata-se do ambiente insalubre e ou  perigoso,   que   causam  danos  à saúde e a integridade física do trabalhador, ou seja,  uma exceção a proteção constitucional.

2. TUTELA ESPECIAL DA TRABALHADORA GESTANTE E LACTANTE

A Constituição da República  preceitua em seu artigo 5º inciso I, o princípio da igualdade entre homens e mulheres,  tanto nos direitos e nas obrigações em face do fundamento da dignidade da pessoa humana e do    objetivo    de promover o bem-estar de todos. Em relação ao trabalho  dispõe em seu artigo 7º a proteção  do     mercado de trabalho da mulher a qual proíbe  a   discriminação de qualquer natureza seja na admissão, na percepção  salarial  e assegura a licença maternidade de duração  de 120 dias.   [10]

A proteção especial ao trabalho da mulher resulta das diferenças do próprio corpo humano feminino comparado ao do homem. As limitações físicas da mulher são diferentes daquele, pois são inerentes   a própria natureza biológica,   com características peculiares que   diferencia a mulher do homem.

Os fundamentos da proteção jurídica especial destinada à mulher são de ordem fisiológica, já que a mulher não é dotada da mesma resistência física do homem, e social, porque interessa a toda a sociedade a defesa e proteção da família humana. (LEITE, 2018, p. 686).

 A Consolidação das Leis do Trabalho em seu Título III, Capítulo III dispõe sobre a proteção do trabalho da mulher.  Ressalta-se a vedação a discriminação ao acesso do mercado de trabalho, seja em relação ao sexo, idade,  cor, estado civil, estado de gravidez.  Em relação a trabalhadora   gestante e  lactante dispõe na Sessão V nos artigos 391 a 400 a proteção a maternidade.

  A norma supracitada em seus artigos 391 a 394   assegura a   trabalhadora gestante e lactante  a proteção a maternidade.  Em que proíbe a discriminação no ambiente de trabalho,  estabelece o direito  a licença maternidade com duração de cento e vinte dias,  a realização  no mínimo seis  das consultas  médicas e exames complementares,      estabilidade do emprego no período da gestação, transferência de local  por motivo de saúde, período de amamentação do filho  após retorno da licença.

2.1  ALTERAÇÃO DO ARTIGO 394-A  PELA LEI 13.467/2017

O projeto de Lei nº 6. 787 de 2016 que teve como autor o Chefe do Poder Executivo tramitou pelo Congresso Nacional e foi transformado na Lei Ordinária Nº   13. 467, publicada em de 13 de julho de 2017, conhecida como a reforma trabalhista que alterou vários dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho- CLT, com o   fundamento da modernização das relações de trabalho no Brasil.

Ressalta-se especificamente a alteração do artigo 394-A que ganhou uma nova redação e inclusão dos incisos I, II e III e parágrafo 2º e 3º, que permite a  empregada gestante e lactante exercer atividades  consideradas  insalubres.[11]Tal dispositivo  determina a obrigatoriedade do   afastamento da gestante quando estiver exposta as atividades  ou operações insalubres em grau máximo, mas autoriza a permanência da mesma   em   ambiente insalubre de grau médio e mínimo,   salvo se  ela apresentar atestado de saúde emitido pelo seu médico   que recomende o afastamento.

Verifica que o legislador não fez nenhuma restrição em relação ao período de amamentação, assim a lactante poderá permanecer em ambiente insalubres independente do grau, cabendo a mesma apresentar atestado médico que recomende o afastamento caso necessário.

[…] Se assim é, há um contrassenso na colocação nas mãos da gestante/lactante da decisão de estar ou não em ambientes insalubres. Essa situação a levará ao grave dilema da escolha trágica que exprime o estado de tensão entre a necessidade de manter o emprego e a de manter a saúde própria e de sua prole. Essa matéria não deveria ser colocada sob a escolha da gestante. […] (MARTINEZ, 2018, p. 833).

Vale ressaltar que o 394-A, foi inserido na CLT pela Lei ordinária nº 13.287, publicada em   11 de maio de 2016, que tramitou no Congresso Nacional pelo Projeto de Lei Nº 814/2007. Tal projeto de lei proibia a permanência da trabalhadora gestante e lactante em ambiente insalubre, e determinava a transferência daquela para um local salubre. Também previa no parágrafo único   a percepção salarial  juntamente com o adicional de insalubridade, mas foi vetado. Desta forma, inseriu  apenas a redação do 394-A,  tendo como fundamentação a proteção a maternidade, ao desenvolvimento saudável do nascituro e do lactente.

A Lei 13.467/2017 da reforma trabalhista  alterou a redação anterior do artigo 394-A, sob o argumento de que a redação anterior acarretava discriminação a inserção da mulher no mercado de trabalho e redução salarial. Conforme o relatório da Comissão Especial do Projeto de Lei nº 6. 787 de 2016, proferido pelo relator da comissão,o  deputado federal  Rogério Marinho.[12]

 Verifica que o legislador demorou 9 anos para aprovar a Lei ordinária nº 13.287 que inseriu a redação original do  artigo 394-A, uma norma de proteção especial a trabalhadora gestante e lactante, e em um lapso temporal de 1 ano e 2 meses alterou a redação do artigo 394-A.   Em posicionamento contrário ao legislador , o autor Souza (2017, p.61) afirma:

[…], o teor legislativo proposto pela reforma trabalhista viola pressupostos constitucionais que garantem proteção integral à vida, inclusive no estágio intrauterino. Logo, percebe-se que a Lei. 13.467/2017 prejudica diversos princípios defendidos pela Constituição Federal, tais como a dignidade da pessoa humana (art. 1º, inciso III), o valor social do trabalho (art. 1º, inciso IV), a inviolabilidade do direito à vida (art. 5º, caput), A função social da propriedade (art. 5º, inciso XXIII), a proteção do mercado de trabalho da mulher (art. 7º, inciso XX) e a redução dos riscos inerentes ao trabalho (art. 7º, inciso XXII).

Após a publicação da Lei 13.467/2017 a Presidência da República publicou a Medida provisória 808/2017, com objetivo de atenuar as alterações feitas no artigo 394-A em razão das reações contrárias ao posicionamento do legislador.  Tal Medida Provisória restabelecia a proteção a gestante proibindo-a de exercer atividades ou operações insalubres de qualquer grau, todavia poderia exercer tais atividades de grau médio e mínimo quando por iniciativa própria apresentasse mediante atestado médico a autorização para exercê-las naquele ambiente. 

Todavia a Medida Provisória N.º 804/2017 não foi convertida em Lei e perdeu a sua eficácia e  por conseguinte   ocorreu  a repristinação da Lei 13.467/2017. A nova redação do artigo 394-A, trazida pela Lei 13.467/2017 sobre o argumento de combater a discriminação  da mulher no mercado de trabalho e a redução do salário, tem provocado posicionamentos contrários dos doutrinadores, entidades sindicais, associações de categorias profissionais em relação ao legislador.  O autor Martinez (2018, p. 832) crítica firmemente o legislador:

A maternidade (vide art. 6º da Constituição da República), foi, porém, barbaramente transmudado. O legislador da reforma trabalhista de 2017 não poupou gestante nem lactante do submetimento à insalubridade meio ambiental. A Lei n. 13.467/ 2017 introduziu alterações no art. 394-A da CLT e impôs condições e variáveis. Medida Provisória n. 808/2017, entretanto, apenas quatro dias depois de iniciada a vigência da referida lei, alterou algo nesse âmbito, mas não restaurou a antiga norma protetiva.

 Também se constata   pela propositura da Ação Direta de Inconstitucionalidade N.º 5938 com medida cautelar, proposta pela entidade sindical Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos, em face das alterações do artigo 394-A. Sob os fundamentos de violação dos direitos constitucionais à maternidade, à gestação, à saúde, à mulher, ao nascituro, aos recém-nascidos, ao trabalho e ao meio ambiente do trabalho equilibrado.[13]

Vale ressaltar o Parecer nº 324/2018 – SFCONST/PG,  de 18 de dezembro de 2018, com   a Manifestação da Procuradoria Geral da República na ADI N.º 5938,   favorável a   inconstitucionalidade do artigo 394-A,  pela violação dos  bens jurídicos:  a  vida, saúde, maternidade, infância e trabalho digno e seguro. E ainda pela concessão de medida liminar suspensiva da eficácia do artigo 394-A. [14]

 Neste mesmo sentido a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), promoveu a 2ª Jornada de Direito Material e Processual do Trabalho, sobre a temática da reforma trabalhista, com intuito de promover debates e     interpretação da Lei 13.467/2017. Foi aprovado o Enunciado Nº2 elaborado pela Comissão 4, sobre autoria da Agnes Marian Ghtait Moreira das Neves, que defende  a  inconstitucionalidade da alteração do artigo 394-A em face da proteção especial da empregada gestante.

A autorização legal permitindo o trabalho da gestante e lactante em ambiente insalubre é inconstitucional e inconvencional porque violadora da dignidade humana, do direito à redução dos riscos inerentes ao trabalho, da proteção integral ao nascituro e à criança e do direito social à saúde. Ademais, o meio ambiente do trabalho saudável é direito fundamental garantido pela constituição da república, revestido de indisponibilidade absoluta. Incidência dos arts. 1º, iii; 6º; 7º, xxii; 196; 200; 201, ii; 203, i; 225; 226 e 227 da constituição federal; convenção 103 e 183 da oit; arts. 25, i e ii da DUDH (ANAMATRA, 2017, s/p).

Desta forma o legislador ao invés de buscar melhorarias a proteção jurídica da saúde e segurança da trabalhadora gestante e lactante, retrocedeu   ao permitir a permanência daquela em ambiente insalubre de grau médio e mínimo.Também   impôs   a   inversão da  proteção na relação do trabalho, pois   caberá a  trabalhadora diligências para o  afastamento do ambiente insalubre.  A situação se agrava em relação a trabalhadora lactante, que poderá exercer suas atividades no ambiente insalubre   independente do grau.

Dessa forma, quanto aos direitos sociais, além de se buscar uma rede de proteção que imponha abstenções estatais e dos demais cidadãos em face de determinada esfera de direitos do indivíduo, deve-se buscar também a permanente ação – conjunto de condutas comissivas dos agentes estatais e da sociedade em geral para a consecução dos bens tutelados por esses direitos. Daí a importância de se estabelecer, em termos normativos, formas de garantir a observância e a efetividade de um conjunto mínimo de direitos garantidores da dignidade de seus titulares – noção traduzida na ideia de mínimo existencial – e de evitar qualquer retorno a uma situação prévia de não proteção desses direitos, vedação do retrocesso. (SILVA, M;SILVA, P,  2017, p.9 ).

Verifica a omissão do legislador em relação às atividades ou operações perigosas, que constam na Norma Regulamentadora 16, presumindo a possibilidade de a trabalhadora gestante e lactante trabalhar nestas condições. Vale ressaltar tais atividades ou operações podem colocam em risco iminente a vida e a segurança da trabalhadora, caso ocorra uma acidente de trabalho.

2.      OS IMPACTOS NA SAÚDE E SEGURANÇA DA TRABALHADORA   GESTANTE E LACTANTE NO AMBIENTE LABORAL INSALUBRE

A proteção especial a trabalhadora gestante e lactante se justifica tendo em vista que no período gestacional e da lactação a mulher deve ter cuidados especiais, pois além da própria saúde envolve a saúde do nascituro e do lactente.  É um período muito delicado para mulher, com constante alterações biológica durante a gestação e na lactação.

A trabalhadora gestante e lactante ao exercer atividades ou operações insalubres está sujeita a adquirir doenças ocupacionais ou doenças do trabalho, devido a exposição aos riscos ocupacionais[15].Segundo Martins (2015) a insalubridade compromete a saúde do trabalhador diariamente, devido as exposições dos agentes físico, químico e biológico.

Por conseguinte a  exposição ocupacional ao   ruído   acima dos limites de tolerância   fixados nos anexos 1 e 2 da Norma Regulamentadora n.º 15,  pode provocar danos a   audição do trabalhador  como a perda da audição  e o trauma acústico. A exposição a vibração pode provocar danos físicos permanente ou distúrbio no sistema nervoso. A exposição ao calor pode provocar doenças como exaustão do calor, desidratação, câimbras de calor, choque térmico. [16]

A exposição ocupacional a radiações ionizantes causa alterações no sistema hematopoiético, no aparelho digestivo, na pele, os olhos, no sistema reprodutor, no sistema cardiovascular, no sistema urinário e no fígado. A exposição ocupacional ao frio pode causar hipotermia, enregelamento dos membros, pés de imersão, ulcerações do frio: feridas, rachaduras, bolhas, necrose. [17]

O trabalhador que exerce atividades com  agentes químicos  está sujeito a intoxicações que pode provocar acidente de trabalho e ou   desencadear doenças ocupacionais. Destaca-se a  exposição ao benzeno, que  em dose alta pode causar a morte e  em dose menores  pode causar transtornos respiratórios, cefaleias, vertigens e tremores;  ao chumbo pode causar a doença  denominada  de saturnismo; ao cromo que  tem    ação  tóxica de caráter corrosivo sobre a pele e a mucosa;  ao fósforo   que pode causar  necrose  do maxilar,  lesão típica de pele.[18]

A exposição ocupacional aos hidrocarbonetos e outros composto de carbono pode causar narcose e a morte quando na intoxicação aguda, e quando   crônica a diminuição da taxa de hemoglobina, eritropenia, e trombocitopenia; ao mercúrio causa intoxicação   e hidrargirismo profissional.[19]

O Ministério da Saúde afirma que a exposição aos agentes de riscos ocupacionais no ambiente de trabalho são  fatores de risco na gestação, conforme consta  no   Manual Técnico de gestação de alto risco:

A gestação é um fenômeno fisiológico e deve ser vista pelas gestantes e equipes de saúde como parte de uma experiência de vida saudável envolvendo mudanças dinâmicas do ponto de vista físico, social e emocional. Entretanto, trata-se de uma situação limítrofe que pode implicar riscos tanto para a mãe quanto para o feto e há um determinado número de gestantes que, por características particulares, apresentam maior probabilidade de evolução desfavorável, são as chamadas “gestantes de alto risco”. [...] 1. Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis:  [...] Exposição a riscos ocupacionais: esforço físico, carga horária, rotatividade de horário, exposição a agentes físicos, químicos e biológicos nocivos, estresse.  (BRASIL, 2012, p. 11-12).

A Revista Brasileira de Medicina do Trabalho (RBMT) que é a publicação oficial, trimestral da Associação Brasileira de Medicina do Trabalho (ANAMT), é um canal aberto para comunidade científica realizar as publicações de materiais  sobre a saúde e segurança do trabalhador, que   contribui positivamente na melhoria das condições do ambientes de trabalho, e na melhoria da qualidade de vida e saúde de trabalhadores e trabalhadoras.

O estudo realizado pelo médico e professor Marcelo Pustiglione e publicado na RBMT em 2017, aponta que os agentes de riscos  ocupacionais  podem provocar entre outros danos à saúde  da gestante, nascituro e lactente: estresse fetal, parto prematuro, restrição do crescimento intrauterino, malformações, alterações genéticas, aborto, redução da produção de leite, necessidade de interrupção do aleitamento, infecção da mulher, do feto e/ou da criança lactente e deficiências de desenvolvimento do recém-nascido.

O estudo realizado, considerado o estágio atual de conhecimento, demonstra que os ARO de natureza química, biológica, psicossocial e organizacional, e acidental podem pôr em risco a gestação, o concepto e o lactente. Já os ARO de natureza física e biomecênica parecem não representar risco apenas no caso do lactente. Isso reforça a idéia da necessidade de inclusão na linha de cuidados para a trabalhadora gestante e lactante […] (PUSTIGLIONE, 2017, p. 292).

Ante o exposto, a exposição às atividades ou operações consideradas insalubres ou perigosas são prejudiciais à saúde e integridade do trabalhador. Essa situação se torna mais agravante quando envolve a trabalhadora gestante e ou lactante, pois além de prejudicial à saúde e segurança daquela, também é para  o desenvolvimento do nascituro e do  lactente.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A Lei 13.467 de 13 de julho de 2017 alterou a redação original do artigo 394-A da Consolidação das Leis do Trabalho- CLT,  em que  determina o   afastamento da gestante quando estiver exposta as atividades   ou operações   insalubres em grau máximo, mas autoriza a permanência da mesma   em   ambiente insalubre de grau médio e mínimo,   salvo se   apresentar atestado de saúde emitido pelo seu médico   que recomende o afastamento.  O legislador não fez nenhuma restrição quanto a trabalhadora   lactante,    assim pode    permanecer em ambiente insalubre independente do grau, salvo se apresentar atestado médico  que recomende o afastamento.

A Constituição da República estabelece como direito do trabalhador   a redução dos riscos inerentes as atividades insalubre, perigosas e penosas. Em consonância com  seus  fundamentos  da dignidade da pessoa humana e a valorização do trabalho;  com  seu  objetivo de promover o bem estar de todos e assegurar   os direitos fundamentais à vida, à saúde,  ao trabalho, ao ambiente ecologicamente equilibrado.

Por conseguinte, a Consolidação das Leis do Trabalho atribuiu ao Ministério do trabalho e Emprego a competência para dispor sobre as normas de proteção da saúde e segurança do trabalhador.  Destaca-se   a Norma Regulamentadora N. 15  que trata  das atividades e ou  operações insalubres e  a Norma Regulamentadora N. 16 das atividades ou operações perigosas.

Vale ressaltar que as atividades ou operações insalubres  são prejudiciais a saúde  do trabalhador   e podem causar doenças   devido a exposição aos riscos ocupacionais   físicos, químicos e biológicos E as atividades ou operações perigosas são aquelas que apresentam     risco iminente à   vida e integridade   do trabalhador. Tais condições de trabalho é mais agravantes  em relação a   trabalhadora gestante e  lactante, devido ser prejudicial a sua saúde ao desenvolvimento do nascituro e do Lactente. 

A exposição ocupacional aos agentes   insalubres     é  prejudicial    a saúde e integridade    da trabalhadora gestante e lactante, e pode  causar   danos na audição;  distúrbios  nos sistemas nervoso,  reprodutor,  cardiovascular,  urinário e no fígados; desidratação;  câimbras de calor; choque térmico;  hipotermia, entre outros.

A exposição ocupacional aos agentes químicos causam      intoxicação  e pode  desencadear doenças ocupacionais tais como:  hidrargismo, saturnismo, transtornos respiratórios, cefaleias, vertigens,  necrose  do maxilar,  lesão típica de pele, entre outras. Ressalta-se  que o benzeno e   o hidrocarbonetos e  outros compostos de carbono quando manuseados em dose alta    pode causar a morte da trabalhadora.

A exposição aos  agentes de riscos  ocupacionais  podem provocar entre outros danos à saúde  da gestante, nascituro e lactente: estresse fetal, parto prematuro, restrição do crescimento intrauterino, malformações, alterações genéticas, aborto, redução da produção de leite, necessidade de interrupção do aleitamento, infecção da mulher, do feto e/ou da criança lactente e deficiências de desenvolvimento do recém-nascido.

Percebe-se que  o legislador  alterou a redação original do artigo 394-A da CLT , com o fundamento da modernização das relações de trabalho no Brasil. Todavia, aquela era uma norma de proteção  da trabalhadora gestante e lactante, a  maternidade,  ao nascituro e a ao lactente, pois determinava o afastamento  do ambiente insalubre  durante toda a gestação e período de amamentação, todavia não está mais vigente no ordenamento jurídico pátrio.

Contudo, a alteração do artigo 394-A da CLT, no que tange a aprovação da Lei 13.467 de 2017, viola os mandamentos constitucionais  da dignidade da pessoa humana, o direito vida, a saúde, a proteção a maternidade, ao nascituro e ao lactente. Ressalta a omissão do legislador em relação às atividades ou operações perigosas, assim  permite  que a    trabalhadora gestante e lactante  exerça tais atividades ou operações.  Destarte,     o ambiente insalubre é prejudicial a saúde da trabalhadora gestante e lactante, do nascituro e do lactente.

REFERÊNCIAS

ANAMATRA. 2ª Jornada de Direito Material e Processual de Trabalho. Enunciado Nº 2- Trabalhadora gestante e lactante. Art. 394-a da CLT. Disponível em:. Acessado em:01 de Nov. 2018.

BARROS, Alice Monteiro de. Curso de direito do trabalho. 7.  ed. São Paulo: LTr, 2011.

BRASIL.Constituição da República Federativa do Brasil,  de   1988. Disponível em:.  Acessado em: 01 de nov. 2018.

____.Câmara dos Deputados. Relatório do Projeto de Lei 6.787, de 2016. Disponívelem: .  Acessado em: 01de nov. 2018.

____.Câmara dos Deputados. Relatório do Projeto de Lei 6.787, de 2016. Disponívelem: .  Acessado em: 01de nov. 2018.

____.Decreto Lei nº 5.452, de 1 de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em:.  Acessado em: 29 de out. 2018.

_____.Decreto n.º 1.254, de 29 de setembro de 1994.Promulga a Convenção número 155, da Organização Internacional do Trabalho, sobre Segurança e Saúde dos Trabalhadores e o Meio Ambiente de Trabalho, concluída em Genebra, em 22 de junho de 1981.Disponível em:

_____. Lei nº 13.467, de 13 de juho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e as Leis nos 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho.Disponível em:.  Acessado em: 02  de nov. 2018.

_____.Lei n.º 8.080, de 19 de setembro de 1990. Disponível em: . Acessado em:  24. Mar.2019.

_____.Lei 8. 213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: . Acessado em: 03 de abr. 2019.

_____. Lei nº 13.287, de 11 de maio de 2016. Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, para proibir o trabalho da gestante ou lactante em atividades, operações ou locais insalubres. Disponível em:.  Acessado em: 01  de nov. 2018.

_____.Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora 15, da Portaria 3.214, de 08 de julho de 1978. Disponível em:. Acessado em: 02  de nov. 2018.

____.Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora 16, da Portaria 3.214, de 08 de julho de 1978. Disponível em:. Acessado em: 02  de nov. 2018.

____.Ministério Público Federal. Parecer nº 324/2018 – SFCONST/PGR. Disponível em:

____. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gestação de alto risco: manual técnico. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. p. 11-12.  Dispon[ivel em:

_____. Supremo Tribunal Federal. ADI/5938. Controle de constitucionalidade, gestante. Disponível em: Acessado em: 24 de ago. 2018.

DA SILVA, Marylad Medeiros; SILVA, Paula Isabel Nobrega Introine.  A gestante e o meio ambiente laboral: uma análise da lei 13.467. In: XXVI CONGRESSO NACIONAL DO CONPEDI,  27., 2017, Maranhão,  Anais.  2017, p.60-80. Disponível em: .  Acessado em: 29 de ago. 2018.

DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de direito do trabalho. 13.ed São Paulo: LTr, 2014.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI,Marina de Andrade.  Fundamentos de metodologia científica.  5. ed.  São Paulo : Atlas 2003.

LEITE, Carlos Henrique Bezerra.  Curso de direito do trabalho.  9. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018. Disponivel em: .  Acessado em: 22 de out. 2018.

MARTINS, Sergio Pinto. Direito do trabalho. 31. Ed. São Paulo: Atlas, 2015

MARTINEZ, Luciano. Curso de direito do trabalho: relações individuais, sindicais e coletivas do trabalho. 9. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018.Disponível

em: . Acessado em: 22 de out. 2018.

OLIVEIRA, Sebastião Geraldo de. Proteção jurídica a saúde do trabalhador-3.ed.rev.ampl e atual.-São Paulo: LTr, 2001.

OPITZ JUNIOR, João Baptista. Medicina do trabalho e perícia médica.: visão civil, criminal, trabalhista e previdenciária-2ª. Ed.-São Paulo: Santos, 2011.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Constituição da Organização Mundial da Saúde.  Nova York, 1946. Disponível em: Acessado em:  24 de março.2019.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico] : métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

PUSTIGLIONE.  Marcelo. Trabalhadoras gestantes e lactantes: impacto de agentes de risco ocupacional (ARO) no processo de gestação, no concepto e no lactente.  Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, v. 15, n. 3, 2017.  Disponível em: . Acessado em: 24 de ago. 2018.

SALIBA, Tuffi Messias. Curso básico de segurança e higiene ocupacional.  colaboradora Maria Beatriz de Freitas Lanza- 8. ed.-São Paulo: LTr, 2018.

SOUZA, Francisco Igor Silva Ferreira.  A Reforma Trabalhista.In: A Reforma Trabalhista:Impactos da Lei 13. 467/2017 sobre o Princípio da Proteção. Monografia- Universidade de Brasilia, 2017. cap.  3, p. 40-64.Disponível em:. Acessado em:  24 de ago. 2018.

[1]Iasmim Laís Sousa Guimarães: Acadêmica do curso de Direito pela Faculdade Catolica do Tocantins. Técnia em Segurança do Trabalho da  Universidade Federal do Tocantins.

[2]Leonardo Navarro Aquilino: Mestrado em Direito pela Universidade Católica de Brasília, UCB/DF. Especialização em Direito das Obrigações pela Universidade Estadual Paulista, UNESP, Brasil. Professor de Direito da Faculdade Católica do Tocantins.

[3]Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.  (BRASIL, 1988).

[4]Disponível em: < http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMS-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da-Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da-saude-omswho.html >acessado 24. Abr.2019. 

[5]Decreto n.º1.254 de 29 de setembro de 1994. Disponível em:.

[6] Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípio. [...]. (BRASIL, 1988).

[7]Relação das atividades que envolvem agentes biológicos, cuja insalubridade é caracterizada pela avaliação qualitativa. Insalubridade de grau máximo Trabalho ou operações, em contato permanente com: - pacientes em isolamento por doenças infecto-contagiosas, bem como objetos de seu uso, não previamente esterilizados;  - carnes, glândulas, vísceras, sangue, ossos, couros, pêlos e dejeções de animais portadores de doenças infectocontagiosas (carbunculose, brucelose, tuberculose); - esgotos (galerias e tanques); e - lixo urbano (coleta e industrialização). Insalubridade de grau médio Trabalhos e operações em contato permanente com pacientes, animais ou com material infecto-contagiante, em: - hospitais, serviços de emergência, enfermarias, ambulatórios, postos de vacinação e outros -- estabelecimentos destinados aos cuidados da saúde humana (aplica-se unicamente ao pessoal que tenha contato com os pacientes, bem como aos que manuseiam objetos de uso desses pacientes, não previamente esterilizados);- hospitais, ambulatórios, postos de vacinação e outros estabelecimentos destinados ao atendimento e tratamento de animais (aplica-se apenas ao pessoal que tenha contato com tais animais); - contato em laboratórios, com animais destinados ao preparo de soro, vacinas e outros produtos; -laboratórios de análise clínica e histopatologia (aplica-se tão-só ao pessoal técnico);-  gabinetes de autópsias, de anatomia e histoanatomopatologia (aplica-se somente ao pessoal técnico);- cemitérios (exumação de corpos);-  estábulos e cavalariças; e- resíduos de animais deteriorados. ( MINSITEÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 1978. Anexo 14 da Norma Regulamentadora n.º 15). 

[8]Art. 7º XXIII - adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei;(BRASIL, 1988). 

[9].  Lei n.º 20.744, de 13 de maio de 1976.  Lei de Contrato de Trabalho. Argentina. Disponível em: http://servicios.infoleg.gob.ar/infolegInternet/anexos/25000-29999/25552/texact.htm#1. Acessado em: 04.abr. 2019

[10]  Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: […] XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e vinte dias; XX - proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos, nos termos da lei; XXX - proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil. XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança. (BRASIL, 1988).

[11]Art. 394-A Sem prejuízo de sua remuneração, nesta incluído o valor do adicional de insalubridade, a empregada deverá ser afastada I - atividades consideradas insalubres em grau máximo, enquanto durar a gestação; II - atividades consideradas insalubres em grau médio ou mínimo, quando apresentar atestado de saúde, emitido por médico de confiança da mulher, que recomende o afastamento durante a gestação; III - atividades consideradas insalubres em qualquer grau, quando apresentar atestado de saúde, emitido por médico de confiança da mulher, que recomende o afastamento durante a lactação. § 2o  Cabe à empresa pagar o adicional de insalubridade à gestante ou à lactante, efetivando-se a compensação, observado o disposto no art. 248 da Constituição Federal, por ocasião do recolhimento das contribuições incidentes sobre a folha de salários e demais rendimentos pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço. § 3o  Quando não for possível que a gestante ou a lactante afastada nos termos do caput deste artigo exerça suas atividades em local salubre na empresa, a hipótese será considerada como gravidez de risco e ensejará a percepção de salário-maternidade,nos termos da Lei no 8.213, de 24 de julho de 1991, durante todo o período de afastamento.” (BRASIL, 1943).

[12]Esse dispositivo tem provocado situações de discriminação ao trabalho da mulher em locais insalubres, tanto no momento da contratação quanto na manutenção do emprego […] Além disso, ao afastar a empregada gestante ou lactante de quaisquer atividades, operações ou locais insalubres, há, de imediato, uma redução salarial, pois ela deixa de receber o respectivo adicional, refletindo, inclusive, no benefício da licença-maternidade a que faz jus (BRASIL, 2017).

[13]A expressão impugnada, que ocorre em ambos os dispositivos questionados (incisos II e III do art. 394-A da CLT), afronta manifestamente a proteção que a Constituição Federal veementemente atribui à maternidade, à gestação, à saúde, à mulher, ao nascituro, aos recém-nascidos, ao trabalho e ao meio ambiente do trabalho equilibrado. Valores protegidos de forma expressa pelos seguintes dispositivos constitucionais afrontados pela expressão impugnada: (a) art. 1º, IV; (b) art.6º; (c) art. 7º, XX e XXII; (d) art. 170; (e) art. 193; (f) art. 196; (g) art. 201, II; (h) 203, I; e (i) art. 225. (ADI, p. 2).

[14] Disponível em:. Acessado em: 12. Abr. 2019.

[15]Art. 20. Consideram-se acidente do trabalho, nos termos do artigo anterior, as seguintes entidades mórbidas:I - doença profissional, assim entendida a produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade e constante da respectiva relação elaborada pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social;II - doença do trabalho, assim entendida a adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente, constante da relação mencionada no inciso I. (BRASIL, 1991).

[16]Saliba, Tuffi Messias. Curso básico de segurança e higiene ocupacional. Tuffi Messias Saliba; colaboradora Maria Beatriz de Freitas Lanza- 8. ed.-São Paulo: LTr, 2018.  (p. 185,186,211, 220)

[17] Saliba, Tuffi Messias. Curso básico de segurança e higiene ocupacional. Tuffi Messias Saliba; colaboradora Maria Beatriz de Freitas Lanza- 8. ed.-São Paulo: LTr, 2018.  (p. 230, 231, 235)

[18] OPITZ JUNIOR, João Baptista. Medicina do trabalho e perícia médica.: visão civil, criminal, trabalhista e previdenciária-2ª. Ed.-São Paulo: Santos, 2011.

[19]OPITZ JUNIOR, João Baptista. Medicina do trabalho e perícia médica.: visão civil, criminal, trabalhista e previdenciária-2ª. Ed.-São Paulo: Santos, 2011.

Data da conclusão/última revisão: 23/4/2019

Envie sua colaboração

Iasmim Laís Sousa Guimarães e Leonardo Navarro Aquilino

Iasmim Laís Sousa Guimarães: Acadêmica do curso de Direito pela Faculdade Católica do Tocantins. Técnica em Segurança do Trabalho da Universidade Federal do Tocantins. 

Leonardo Navarro Aquilino: Mestrado em Direito pela Universidade Católica de Brasília, UCB/DF. Especialização em Direito das Obrigações pela Universidade Estadual Paulista, UNESP, Brasil. Professor de Direito da Faculdade Católica do Tocantins.

Inserido em 07/05/2019

Parte integrante da Edição no 1619

Código da publicação: 4967

Ferramentas

Este artigo já foi acessado 740 vezes.

Versão para impressão

Mensagem para o autor do artigo.

Citação deste artigo, segundo as normas da ABNT:

GUIMARÃES,Iasmim Laís Sousa; AQUILINO, Leonardo Navarro. Reforma trabalhista: impactos da lei 13.467/2017 sobre a proteção jurídica da saúde e segurança da trabalhadora gestante e lactante no ambiente laboral insalubreBoletim Jurídico, Uberaba/MG, a. 13, no 1619. Disponível em: <https://www.boletimjuridico.com.br/ doutrina/artigo/4967/reforma-trabalhista-impactos-lei-134672017-protecao-juridica-saude-seguranca-trabalhadora-gestante-lactante-ambiente-laboral-insalubre> Acesso em: 13  nov. 2019.

Atenção

As opiniões retratadas neste artigo são expressões pessoais dos seus respectivos autores e não refletem a posição dos órgãos públicos ou demais instituições aos quais estejam ligados, tampouco do próprio BOLETIM JURÍDICO. As expressões baseiam-se no exercício do direito à manifestação do pensamento e de expressão, tendo por primordial função o fomento de atividades didáticas e acadêmicas, com vistas à produção e à disseminação do conhecimento jurídico.