A exploração do trabalho de crianças na Revolução Industrial e no Brasil - Boletim Jurídico  

Browser não suportado!!!
Para melhor visualização, o Boletim Jurídico recomenda a utilização do Mozilla Firefox ou Google Chrome

 

A exploração do trabalho de crianças na Revolução Industrial e no Brasil

A revolução industrial alterou o modo de produção conhecido pela humanidade desencadeando um novo processo de relações econômicas e sociais. A expropriação dos camponeses e o estímulo à migração para áreas urbanas levaram um significativo contingente de pessoas a procurarem nas fábricas uma oportunidade de sobrevivência.
No entanto, a expectativa criada geralmente era frustrada, pelas péssimas condições de trabalho, com altas jornadas de trabalho e atividades de alto risco. A baixa remuneração exigia do trabalhador a inserção de toda a sua família, incluindo mulheres e crianças, no trabalho para a garantia da sobrevivência.
Segundo CUSTÓDIO,
O trabalho infantil tem registros que remontam à própria história da humanidade, sua utilização sempre variou conforme o grau de desenvolvimento civilizatório. No entanto, considerando a história recente da humanidade, com o início da Revolução Industrial o tema passou a ganhar maior importância em função da evidente degradação física que estava ocorrendo na infância, que alarmava, até mesmo, os mais conservadores. (1999, p. 04)

Além dessas condições desumanas e degradantes, eram comuns acidentes de trabalho e problemas sérios de saúde gerados pela alimentação deficiente, o cansaço, a insalubridade e o esforço exagerado que era exigido dos trabalhadores nas fábricas. A ausência de alternativas provocava uma relação de completa dependência dos trabalhadores num regime que poderia ser comparado a escravidão. Era comum um grande número de crianças trabalhando em todas as atividades das indústrias, sozinhas ou junto com suas famílias.
MARX destacou
[...] milhares de braços tornaram-se de súbito necessários. [...] Procuravam-se principalmente pelos pequenos e ágeis. [...] Muitos, milhares desses pequenos seres infelizes, de sete a treze ou quatorze anos foram despachados para o norte. O costume era o mestre (o ladrão de crianças) vestí-los, alimentá-los e alojá-los na casa de aprendizes junto a fábrica. Foram designados supervisores para lhes vigiar o trabalho. Era interesse destes feitores de escravos fazerem as crianças trabalhar o máximo possível, pois sua remuneração era proporcional à quantidade de trabalho que deles podiam extrair. (...) Os lucros dos fabricantes eram enormes, mais isso apenas aguçava-lhes a voracidade lupina. Começaram então a prática do trabalho noturno, revezando, sem solução de continuidade, a turma do dia pelo da noite o grupo diurno ia se estender nas camas ainda quentes que o grupo noturno ainda acabara de deixar, e vice e versa. Todo mundo diz em Lancashire, que as camas nunca esfriam. (1988, p. 875-876)


A exploração capitalista do trabalho de crianças não era desinteressada. O trabalho de crianças representava uma mão-de-obra muito barata, disciplinada e com baixo poder reivindicativo.
Muitas fábricas obtinham grandes lucros em razão da utilização deste tipo de trabalho, não havendo uma preocupação com os prejuízos provocados na saúde e desenvolvimento das crianças ocultado pelo título de “ajuda”.
As conseqüências desta realidade foram tornando-se visíveis e no final do século XIX algumas vozes que se organizavam passam a denunciar a exploração do trabalho de crianças e demonstram suas conseqüências, tais como os altos índices de mortalidade infantil, doenças e prejuízos ao desenvolvimento físico e mental de um grande contingente de crianças, que não tinham mais condições de sequer reproduzir a força de trabalho.
Como resultado deste processo surge, ainda no século XIX, as primeiras leis que proíbem o trabalho de crianças estabelecendo limites de idade mínima para o trabalho. Em 1919 é criada a Organização Internacional do Trabalho (OIT), com a atribuição de estabelecer garantias mínimas ao trabalhador e, também, evitar a exploração do trabalho de crianças.
É neste momento, que os diversos países no mundo começam a estabelecer uma série de garantias contra a exploração do trabalho infantil visando garantir a reprodução da força de trabalho para a manutenção do sistema capitalista que se consolidava.
O Brasil passou por situação semelhante em todo o seu processo de industrialização. Ainda, hoje, o trabalho de crianças é explorado sob as mais variadas justificativas. Diversos estudos elaborados sobre o tema concordam que o trabalho de crianças é explorado em razão do seu baixo custo, da necessidade de composição de renda familiar, pelo interesse das instituições em buscarem o trabalho como alternativa para a infância empobrecida.
Segundo OLIVEIRA,
[...] no Brasil, a taxa de atividade (18%) de crianças na faixa etária 10 a 14 anos só perde para o Paraguai (19%) e o Haiti (24,4%) e supera a de outros países subdesenvolvidos como a Indonésia (11,1%), Marrocos (14,3%), Honduras (14,7%), República Dominicana (15,5%), entre outros. (1996, p. 05)

Ainda, é de se destacar que o trabalho de crianças é legitimado por razões culturais que valorizam demasiadamente o trabalho como forma de realização do ser humano. No entanto, se o trabalho fosse a maneira mais apropriada de educação das crianças, os filhos de famílias abastadas estariam trabalhando, mas não é o que ocorre na realidade.
Na verdade, o trabalho de crianças funciona como uma forma de manter a condição de desigualdade social uma vez que a criança que trabalha geralmente não consegue estudar e, por isso, não tem chances de ocuparem os melhores trabalhos na fase adulta, reproduzindo, assim, sua condição de pobreza e exclusão.
O uso de mão-de-obra infantil tem relação direta com baixos índices de aproveitamento escolar, reforça a condição de pobreza das famílias e provoca prejuízos sérios no desenvolvimento físico e psicológico das crianças.
De acordo com ARRUDA, “o trabalho infantil carrega em si uma esteira de ilegalidade, a começar pela própria terminologia com o qual é designado já que, em rigor, não deveria existir ‘trabalho infantil’, posto que os tempos do trabalho e da infância são inconciliáveis.” (1997, p. 102)
A infância é uma fase especial de desenvolvimento do ser humano e que não pode ser substituída pela ocupação em atividades relacionadas ao trabalho, pois além de substituir uma fase que não mais retornará, fere um direito elementar: o direito de ser criança.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARRUDA, Kátia Magalhães. O trabalho de crianças no Brasil e o direito fundamental à infância. In: GERRA FILHO, Willis Santiago (Coord.). Dos Direitos Humanos aos Direitos Fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1997.

CUSTÓDIO, André Viana. O trabalho da criança e do adolescente: uma análise da capacidade jurídica e das condições para o seu exercício no direito brasileiro. Florianópolis, Monografia de Graduação, Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina, 1999.

MARX, Karl. O Capital. São Paulo. Difel, 1988.

OLIVEIRA, Joelho Ferreira de. O trabalho da criança e do adolescente em condições de risco. Curitiba: mimeo, 1996.

(Texto elaborado em agosto de 2006)

Envie sua colaboração

Ismael Francisco de Souza

Acadêmico da 10ª Fase do Curso de Direito da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Pesquisador do Núcleo de Pesquisas e Estudos em Estado, Política e Direito (NUPED), Membro do Instituto Ócio Criativo, Gestor em Direitos Humanos formado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH).

Inserido em

Parte integrante da Edição no 197

Código da publicação: 1561

Citação deste artigo, segundo as normas da ABNT:

SOUZA, Ismael Francisco. A exploração do trabalho de crianças na Revolução Industrial e no BrasilBoletim Jurídico, Uberaba/MG, a. 5, no 197. Disponível em: <> Acesso em: 21  out. 2017.

Comentários