O dilema da maioridade penal - Boletim Jurídico  

Browser não suportado!!!
Para melhor visualização, o Boletim Jurídico recomenda a utilização do Mozilla Firefox ou Google Chrome

 

O dilema da maioridade penal

A imprensa noticiou recentemente uma onda de brutais crimes cometidos por menores em nosso país.
Dentre estes, o caso que teve maior repercussão, foi o ocorrido em uma cidade do interior de São Paulo conhecida por Embu Guaçu. O delito que tirou brutalmente a vida de Liana e de seu namorado Felipe, trouxe à baila novamente fartas discussões acerca da maioridade penal no Brasil. O assunto, no entanto, é complexo, tanto se analisado sob seus aspectos sociais ou jurídicos.
Diante do nosso Ordenamento de Leis, reza o artigo 228 da Constituição Federal que são inimputáveis os menores de dezoito ano de idade e, é neste ponto que reside a discussão principal do assunto. O que ocorre é que, esta norma é, no entendimento de muitos juristas, uma garantia individual do adolescente. Assim sendo, tornar-se-ia ela, uma cláusula pétrea, onde somente com um novo poder constituinte originário poderia ser realizada tal mudança. Entretanto, com uma Constituição rígida como a nossa, isto não vai ocorrer tão cedo.
Em contrapartida, entendem outros que, se fosse reduzida a maioridade penal, haveria uma hiper lotação nos centros penitenciários do país, uma vez que, já há uma excessiva lotação e, ademais, a recuperação do delinqüente no presente momento, é infirmada e claudicante.
Ficaria então (como de fato é) reservado ao Estatuto da Criança e do Adolescente, realizar as mudanças concernentes à punição dos menores infratores dando-lhes assistência psicológica e educativa para que possam voltar a viver normalmente no seio da sociedade. É evidente, que uma pena mais severa a estes criminosos, não irá resolver o problema da criminalidade, mas será um avanço no combate ao crime.
A redução da maioridade penal é uma conseqüência normal da evolução da sociedade. É inquestionável que esta evolução tenha conseqüência no grupo social. Para um jovem hoje, trabalhar desde cedo e acostumar-se com a correria do mundo moderno é algo absolutamente normal.
Além disso, a própria lei considerou sua capacidade de discernimento do bem e do mal, e lhe conferiu o direito de votar e, com isso, o direito de escolher até o Presidente do país.
Mas diante de tudo isto, uma coisa é certa: Para todos os infratores, a melhor punição é que a tenha por objetivo fornecer-lhes meios para que consigam aprender um trabalho, para que possam com dignidade exercer uma profissão no futuro e obter uma boa formação educacional nas Febens. Somente assim, seria possível reabilitá-los ao convívio social, pois nada mais correto, do que o provecto adágio popular: "Mente desocupada, oficina do diabo..."

São João da Boa Vista, S.P., em 26 de abril de 2004

Envie sua colaboração

William Junqueira Ramos

Presidente do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito da UNIFEOB;
Acadêmico do 3º ano de Direito (UNIFEOB);
Estagiário.
Email: william.unifeob@bol.com.br

Inserido em

Parte integrante da Edição no 75

Código da publicação: 249

Citação deste artigo, segundo as normas da ABNT:

RAMOS, William Junqueira. O dilema da maioridade penalBoletim Jurídico, Uberaba/MG, a. 2, no 75. Disponível em: <> Acesso em: 17  dez. 2017.

Comentários